Pular para o conteúdo principal

Teoria IX - Somos quem queremos ser?

Para ilustrar a teoria de hoje, vou contar um causo (verdadeiro) que aconteceu lá na Comunidade de Bom Jardim, bem antes de eu nascer.

Certa vez, meu avô, que era considerado um homem muito sábio, foi consultado por um jovem que pretendia se casar.

O rapaz chegou para ele e arguiu:
- Olha, você conhece a minha noiva?
- Não sei... - respondeu meu avô.
- É Fulana, filha de Beltrana.
- Ah, sim... pois não?
- Pois é... o pessoal sempre falou muito mal da minha (futura) sogra. Dizem que "chifrava" o marido e que sempre foi sem vergonha. Minha família vive dizendo que minha noiva não tem procedência... o que o Sr. acha?
Meu avô respirou bem fundo, deu um trago no "paieiro" e soltou:
- Olha, você conhece o Capitão?
- Uai, que eu saiba é o melhor cão de caça da região - respondeu o jovem.
- Pois é... e os filhotes dele então, tudo "bão" de caça também. Sei não... mas...
O QUE É DE RAÇA: CAÇA!

Esta história, além de verdadeira, é o substrato desta teoria, que questiona se somos mesmo quem queremos/podemos ser, ou somos aquilo que a natureza nos permite ser?

Acredito que além do meio em que vivemos e do nicho ecológico que a sociedade nos permitiu desempenhar, a genética tem papel fundamental.

Recentemente, estava pensando no quanto eu me pareço com meu pai. Ambos temos a mesma estatura, peso, e calçamos o mesmo número de sapato. E isto são só as características físicas.

As características psicológicas também se assemelham muito... vai além da cultura e educação familiar. Ambos somos ansiosos, críticos, piadistas e esperamos do mundo mais do que ele pode nos dar. Isto sem falar na paixão pelas artes, especialmente a música.

Como diria meu irmão: O "pedigree" é fortíssimo!

É... somos muito do que são/foram nossos pais.

Um abraço e até a próxima teoria!

Elvis Almeida

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Teoria VIII - Quem tem tempo... "caga" longe!

Uma das piores coisas, é quando vem aquela dor de barriga, e o banheiro mais próximo é público (e fedorento) e não há alternativa nenhuma a não ser utilizá-lo. O bom mesmo é escolher a "moita" com calma, que seja bem limpinha e escondida, para podermos "arriar a massa" tranquilamente, não é verdade? Mas quando não dá pra esperar, a gente acaba indo no local mais perto. Certo? Então... estamos diante da primeira consequência da pressa: uma tremenda "cagada"! Já quem é menos afoito (seja porque quer ou porque pode ser meticuloso) consegue fazer as mais incríveis façanhas. Este bordão "Quem tem tempo... caga longe!", um dos preferidos do meu irmão, é frequentemente utilizado por ele para ilustrar os "causos" de pessoas que conseguiram alcançar objetivos que custam muito tempo de dedicação. Também é ótimo para descrever a atividade dos "hobbystas" (com todo respeito, pois também tenho meus "hobbies"), afinal, o

Nota sobre a aprovação da Câmara sobre o Marco Civil da Internet

Mais burocracia e pouca solução aos verdadeiros problemas da Internet brasileira. Hoje foi aprovado pela Câmara dos Deputados o projeto de Lei que institui o Marco Civil da Internet Brasileira. A proposta ainda segue para o Senado que pode alterar significativamente o projeto de lei. Pode, mas acredito que não vai. Até porque, ultimamente Senado tem andado muito "entrosado" com o Governo e este quer celeridade nas votações. Analisando superficialmente a questão, já consigo de "prima" verificar que além da tradicional burrada de achar que tudo se resolve através de lei e com criação de sanções cíveis, administrativas e criminais (aqui ainda mais absurdo), o texto demonstra que foi elaborado por gente que não entende nada de Internet. Esperamos que as negociações do Planalto com o Senado não forcem a continuar com um texto tão imaturo, ou ainda pior, que se adicionem emendas que piorem ainda mais o texto original. A meu ver a tão divulgada "neutralidade&

MENSAGEM DE FIM DE ANO - 2014/2015

2014 foi um ano difícil! Que 2015 seja melhor! Já começo a mensagem com esta conclusão inafastável de que 2014 foi um ano difícil, pelo menos para a maioria dos brasileiros (me incluo nesta lista). Para mim foi um ano de altos e baixos. Já em janeiro vivi a maior emoção de minha vida, a paternidade (o ponto mais alto, aliás). Mas também tive muitas frustrações no decorrer do ano. Foram projetos que não consegui concluir, outros que sequer saíram do papel, mas muitos tiveram sucesso e me realizaram bastante. Financeiramente não foi meu pior ano, mas foi longe de ser o melhor. Tive o dissabor de assistir a nação se dividir entre extremos fictícios, inventados por pessoas desqualificadas que, por omissão dos bons, assumiram funções de poder na sociedade. Também me decepcionei com a extrema velocidade com que a irracionalidade está se espalhando pelo Brasil. Estamos vivendo um período de total "descontrucionismo da razão"! E isto é sério e precisa mudar. Mas isto não