Pular para o conteúdo principal

Teoria V - Tecnologia... devemos ou não comprar os lançamentos?

Você é "tecnófilo" (significado livre: amante da tecnologia)?

Eu gostaria de ser... mas falta muita grana, afinal não é nada barato ficar comprando equipamentos num mercado tão dinâmico e cheios de novidades a cada dia.

Sabe como tenho me comportado diante das novidades tecnológicas... compro sempre o equipamento já está quase obsoleto.

Há dois anos comprei um celular com câmera... etc., o tempo passou e não tirei nenhuma foto com ele que merecia ser gravada ou impressa. Toda vez que precisava tirar fotos, acabei levando minha câmera, com muito mais recursos que o celular.

Hoje celular tem TV, Wi-fi, 2 chips, GPS, mas você irá concordar comigo... que aquele jogão da Copa da Mundo, será muito melhor de assistir na sua TV LCD Full HD 42 polegadas.

Por mais prático que seja acessar seu e-mail no seu celular, tenho certeza que se você precisar responder em mais de meia página, você também usará seu PC.

E GPS então... também tenho certeza que se você se estiver na hora do "rush", numa cidade grande e desconhecida e no momento que precisar fazer uma conversão, o celular ligar... você irá se perder, pelo menos enquanto estiver atendendo a ligação.

2 chips parece interessante... ter um número para os amigos e outro só para o trabalho... BOBAGEM! Se um número já é suficiente para te acharem e "encher o seu saco", imagina com dois. Quer privacidade, desligue o telefone! (Risos)

Celular é bom mesmo para ser usado como telefone!

Mas eu mesmo já cedi à pressão e já comprei muitos equipamentos chamados de "última geração". Certa vez eu comprei um Palmtop... usei durante um mês e depois encostei. Quando resolvi usar ele novamente, a bateria vazou e estragou o aparelho. Resultado: dinheiro jogado fora!

Depois disso, só compro equipamentos quando o custo de desenvolvimento e divulgação já se pagou e o preço cai. Se for útil e durar por pelo mínimo de dois anos, vou lá e compro. Do contrário, passo longe. Todo lançamento tem imbutido no preço, todos os custos de desenvolvimento e marketing, por isso é mais caro. Com o passar do tempo, se o produto vender bem, os custos de desenvolvimento desaparecem, os de marketing e produção também... é quando chega o momento de comprar.

A menos que um lançamento seja indispensável para o seu trabalho, ou melhor, aumentará sua produtividade e consequentemente lhe trará mais dinheiro, vale a pena esperar. É difícil conter o ímpeto de comprar... mas acredito que um conseguiremos controlá-lo.

Um abraço e até a próxima teoria!

Elvis Almeida

Comentários

  1. Uma vez comprei um equipamento e foi muito parecido com o caso do celular, ele tinha o som ruim, tinha a imagem ruim, tinha jogos ruim, servia como maquina de escrever, mas pode acreditar era ruim, por ai vai mais alguns ruins e depois dessa avaliação eu comprei mais uns 10.
    Muito doido, não, calma era um a cada 2 anos, em media. To ficando velho :) Pensei em tirar o caso da maquina, mas ai acho que ia surgir muitas teorias que maquina é essa.
    Mais umas dicas: era feia, barulhenta, precisa ver na hora de comunicar, só para tentar ser um pouco cômico vou repetir, era feia, fazia ou melhor faz muita raiva, melhor ainda, fez, faz e fará você sabe o que, para terminar vale dizer: não fede, nem cheira. Quem tiver uma nova, velha não, pois esses adjetivos são da novas, eu compro, estou precisando de mais uma, não que eu queira, mas vou precisar.
    Aproveitar o espaço vou resumir uma piada batida – Um dos culpados dessa maquina ser assim, tentando se defender, falou que se os carros tivessem evoluídos como ela, hoje teríamos veículos com pilotos automáticos, não poluiriam e por ai vai. Um representante de uma grande marca de carros defendeu da seguinte maneira: se você estivesse em um carro evoluídos por eles andando em seu piloto automático a 100km/h e em uma bela curva você ligasse o limpador de vidros junto com o som ira aparecer a seguinte mensagem no painel: “favor pressionar ctrl + alt + del para reiniciar seu sistema”.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Teoria VIII - Quem tem tempo... "caga" longe!

Uma das piores coisas, é quando vem aquela dor de barriga, e o banheiro mais próximo é público (e fedorento) e não há alternativa nenhuma a não ser utilizá-lo. O bom mesmo é escolher a "moita" com calma, que seja bem limpinha e escondida, para podermos "arriar a massa" tranquilamente, não é verdade? Mas quando não dá pra esperar, a gente acaba indo no local mais perto. Certo? Então... estamos diante da primeira consequência da pressa: uma tremenda "cagada"! Já quem é menos afoito (seja porque quer ou porque pode ser meticuloso) consegue fazer as mais incríveis façanhas. Este bordão "Quem tem tempo... caga longe!", um dos preferidos do meu irmão, é frequentemente utilizado por ele para ilustrar os "causos" de pessoas que conseguiram alcançar objetivos que custam muito tempo de dedicação. Também é ótimo para descrever a atividade dos "hobbystas" (com todo respeito, pois também tenho meus "hobbies"), afinal, o

Nota sobre a aprovação da Câmara sobre o Marco Civil da Internet

Mais burocracia e pouca solução aos verdadeiros problemas da Internet brasileira. Hoje foi aprovado pela Câmara dos Deputados o projeto de Lei que institui o Marco Civil da Internet Brasileira. A proposta ainda segue para o Senado que pode alterar significativamente o projeto de lei. Pode, mas acredito que não vai. Até porque, ultimamente Senado tem andado muito "entrosado" com o Governo e este quer celeridade nas votações. Analisando superficialmente a questão, já consigo de "prima" verificar que além da tradicional burrada de achar que tudo se resolve através de lei e com criação de sanções cíveis, administrativas e criminais (aqui ainda mais absurdo), o texto demonstra que foi elaborado por gente que não entende nada de Internet. Esperamos que as negociações do Planalto com o Senado não forcem a continuar com um texto tão imaturo, ou ainda pior, que se adicionem emendas que piorem ainda mais o texto original. A meu ver a tão divulgada "neutralidade&

Teoria XVI - A difícil escolha entre cocô e bosta

Quem conheceu meu avô, Sr. Funico, conta que apesar de pouca instrução, era um sujeito muito sábio. Frequentemente era procurado por mais jovens, que buscavam aconselhamento sobre os mais diversos temas. Diz a lenda que quando dava seus conselhos, ele sempre aproveitava para emplacar um de seus brocardos, sendo que alguns chegavam a ser verdadeiras pérolas. Hoje falarei sobre um, que apesar de não ser o seu preferido, tem tudo a ver com o momento em que vivemos. Não é raro, diante da realidade fenomênica, termos apenas duas opções de escolha, seja em relação à um produto, um candidato nas eleições, um caminho a seguir... etc. Também não é raro, encontrarmos situações, que apesar de mais de uma opção, tudo não passa de "mais do mesmo". Melhor dizendo, nenhuma das alternativas é satisfatória. Ou todas são ruins, ou ainda que não inteiramente sofríveis, as escolhas sempre levarão a uma consequência indesejada. Nestas situações meu avô dizia: "Entre cocô e bosta, não