Pular para o conteúdo principal

Teoria IV - Preguiça... seria mesmo um pecado capital?

Quando Alexandre "O Grande", disse ao filósofo grego Diógenes que este poderia pedir qualquer coisa, até mesmo um reino, ouviu a seguinte resposta:

- Gostaria apenas que você chegasse um pouquinho para esquerda... está atrapalhando o sol.

Bom... o filósofo correu um grande risco, pois um ataque à vaidade de Alexandre, normalmente significava a morte.

Mas vamos combinar, o mundo de hoje está com muita pressa. Antigamente, o indivíduo tinha horário pra tudo, dormir, trabalhar, comer, se lavar... etc. Hoje, levamos serviço pra casa, comemos no escritório, dormimos cada vez menos e manifestamos diversas enfermidades relacionadas ao estresse.

Obviamente a preguiça, quando demais, poderá ser muito prejudicial. Mas colocar um freio no ritmo atual e diminuir um pouco as responsabilidades não seria nada mal. O pecado está no excesso. Um pouco de preguiça não faz mal a ninguém. Aliás, não se trataria sequer de preguiça, mas de levar uma vida com mais simplicidade. Ao revés de vivermos 100 anos em 30, viveríamos 30 anos em 100. Não seria legal?

Qualidade de vida é tudo!

Até a próxima teoria!

Elvis Almeida

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Teoria VIII - Quem tem tempo... "caga" longe!

Uma das piores coisas, é quando vem aquela dor de barriga, e o banheiro mais próximo é público (e fedorento) e não há alternativa nenhuma a não ser utilizá-lo. O bom mesmo é escolher a "moita" com calma, que seja bem limpinha e escondida, para podermos "arriar a massa" tranquilamente, não é verdade? Mas quando não dá pra esperar, a gente acaba indo no local mais perto. Certo? Então... estamos diante da primeira consequência da pressa: uma tremenda "cagada"! Já quem é menos afoito (seja porque quer ou porque pode ser meticuloso) consegue fazer as mais incríveis façanhas. Este bordão "Quem tem tempo... caga longe!", um dos preferidos do meu irmão, é frequentemente utilizado por ele para ilustrar os "causos" de pessoas que conseguiram alcançar objetivos que custam muito tempo de dedicação. Também é ótimo para descrever a atividade dos "hobbystas" (com todo respeito, pois também tenho meus "hobbies"), afinal, o

MENSAGEM DE FIM DE ANO - 2014/2015

2014 foi um ano difícil! Que 2015 seja melhor! Já começo a mensagem com esta conclusão inafastável de que 2014 foi um ano difícil, pelo menos para a maioria dos brasileiros (me incluo nesta lista). Para mim foi um ano de altos e baixos. Já em janeiro vivi a maior emoção de minha vida, a paternidade (o ponto mais alto, aliás). Mas também tive muitas frustrações no decorrer do ano. Foram projetos que não consegui concluir, outros que sequer saíram do papel, mas muitos tiveram sucesso e me realizaram bastante. Financeiramente não foi meu pior ano, mas foi longe de ser o melhor. Tive o dissabor de assistir a nação se dividir entre extremos fictícios, inventados por pessoas desqualificadas que, por omissão dos bons, assumiram funções de poder na sociedade. Também me decepcionei com a extrema velocidade com que a irracionalidade está se espalhando pelo Brasil. Estamos vivendo um período de total "descontrucionismo da razão"! E isto é sério e precisa mudar. Mas isto não

Nota sobre a aprovação da Câmara sobre o Marco Civil da Internet

Mais burocracia e pouca solução aos verdadeiros problemas da Internet brasileira. Hoje foi aprovado pela Câmara dos Deputados o projeto de Lei que institui o Marco Civil da Internet Brasileira. A proposta ainda segue para o Senado que pode alterar significativamente o projeto de lei. Pode, mas acredito que não vai. Até porque, ultimamente Senado tem andado muito "entrosado" com o Governo e este quer celeridade nas votações. Analisando superficialmente a questão, já consigo de "prima" verificar que além da tradicional burrada de achar que tudo se resolve através de lei e com criação de sanções cíveis, administrativas e criminais (aqui ainda mais absurdo), o texto demonstra que foi elaborado por gente que não entende nada de Internet. Esperamos que as negociações do Planalto com o Senado não forcem a continuar com um texto tão imaturo, ou ainda pior, que se adicionem emendas que piorem ainda mais o texto original. A meu ver a tão divulgada "neutralidade&